Loading...

Dupla Estiagem

Belo soneto de um extraordinário poeta pernambucano
de Tabira chamado Dedé Monteiro.

Dupla Estiagem

Quando Deus manda, lá por seus motivos,
Dois anos secos para os sertanejos,
Se os mesmos anos são consecutivos,
Tombam por terra todos os desejos.

Pelas estradas, tristes, pensativos,

Vão-se arrastando, como caranguejos,
Milhares desses pobres semi-vivos,
Deixando a vida sobre seus rastejos.

A nossa terra, que com chuva é rica,

Faltando a mesma, desprezada fica,
Tombando a seca sobre os ombros nus.

O sol resseca todas as alfombras

E os bichos brutos vão procurar sombras
Nas sombras magras dos mandacarus.

Fonte:http://www.poetalucianopedrosa.com/
Poemas e Poesias 5220766118300576189

Postar um comentário

emo-but-icon

Página inicial item

O Donzelo Azarado

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *