Loading...

Quem nasceu pra não ter nada Só pode ser como eu.

Já fui um bom construtor
De casa de alvenaria
Hoje ninguém quer um dia
Por muito pouco valor
Um já me disse o senhor
Fez aquele serviço meu
Uma parede pendeu
A outra já está quebrada
Quem nasceu pra não ter nada
Só pode ser como eu.

Um sonho pra loteria
Eu tive no dia sete
Vinte e cinco dezessete
Uma voz assim dizia
Joguei-a no outro dia
E a mesma milhar deu
Mas Cesário se esqueceu
Botou a data atrasada
Quem nasceu pra não ter nada
Só pode ser como eu.

A fim ganhar duzentos
Pra vereador me inscrevi
Mas logo que me elegi
Cortaram meus vencimentos
Tirei com constrangimento
O período que foi meu
Meu sucessor se elegeu
Vai ganhar taxa marcada
Quem nasceu pra não ter nada
Só pode ser como eu.

Já assumi o papel
De um simples professor
Agradecendo ao doutor
Silvio Nunes Rafael
Que como amigo fiel
A chance me ofereceu
O que doutor Sílvio deu
Lêleu tomou na entrada
Quem nasceu pra não ter nada
Só pode ser como eu.

Tinha um jumento afamado
Zé Cupira me encontrou
Com lambança me passou
Um cavalo espravonado
Com pouco tempo passado
O cavalo adoeceu
Dessa doença morreu
Já com uma perna aleijada
Quem nasceu pra não ter nada
Só pode ser como eu.

Prá não ficar tão à-toa
Vendi o que possuía
Juntei toda economia
E comprei uma leitoa
Numa manhã calma e boa
Uma vara apareceu
A mesma porca comeu
Os bacorinhos na ninhada
Quem nasceu pra não ter nada
Só pode ser como eu.

Um dia minha madrinha
Deu-me uma franga pedrez
Esta quando com um mês
Tornou-se logo galinha
Deitei-a numa tardinha
A pintarada nasceu
Um dia a raposa deu
Comeu-a e a pintarada
Quem nasceu pra não ter nada
Só pode ser como eu.

Em setenta fiz loucura
Toquei logo dois roçados
Ainda tinha uns trocados
Empurrei na agricultura
Limpei mato, a terra dura
A milharada cresceu
Uma chuva mais não deu
Perdeu-se já bonecada
Quem nasceu pra não ter nada
Só pode ser como eu.

Me elevaram a secretário
Do prefeito do lugar
Não pude continuar
Devido ao pouco salário
Tomar outro itinerário
Ser ótimo me pareceu
Mas o que me sucedeu
Ganha quantia dobrada
Quem nasceu pra não ter nada
Só pode ser como eu.

Autor: Heleno Louro

Fonte:http://www.luizberto.com
Poemas e Poesias 1526731918073981619

Postar um comentário

emo-but-icon

Página inicial item

O Donzelo Azarado

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *