Loading...

Depois dos setenta anos É ela quem manda em mim

Na soma das minhas eras
Eu já cheguei a setenta
A mente já não aguenta
Carregar tantas quimeras
Pois com tantas primaveras
Olho para o meu jardim
Em vez dum pé de alecrim
Só enxergo desenganos
Depois dos setenta anos
É ela quem manda em mim.

Mocidade, moça bela,

Com o tempo foi se afastando
E por querer desbotando
Cores da minha aquarela
A dentição amarela
(Já foi da cor de alfenim)
A mulher diz não ou sim
Na decisão dos meus planos
Depois dos setenta anos
É ela quem manda em mim.

Quando vou sair de casa

A mulher já recomenda:
- Volte logo pra merenda
Veja se não se atrasa!
Eu saio com o peito em brasa
Doido pra tomar um Gim
Mas vou tomar Buferin
Para evitar novos danos
Depois dos setenta anos
É ela quem manda em mim.

Mote: Asa Branca do Ceará
Glosas: Wellington Vicente
Porto Velho, 15/08/2011.
Poemas e Poesias 570075627491245591

Postar um comentário

emo-but-icon

Página inicial item

O Donzelo Azarado

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *